Boa sorte


Aquele teu olhar de felicidade me comoveu, sabia? Ta na cara, viu? Não escondas mais, não. Não escondas, até porque isso faz mal e, se eu pudesse, até te ajudaria. Por outro lado, é certo que eu deveria rir e deixar tu te frustrares sozinho, porque eu já senti na pele como essas coisas são. É como se a gente tivesse algo tão grande pra falar pra alguém que, se não conseguíssemos falar, explodiria dentro da gente e doeria muito, pesaria muito... Isso não se explica.
Eu sei o quanto é sentir, e tu sabes que eu sei. Sei também que se isso não der certo, vai acabar se afundando na poeira do tempo, mas não vai passar assim de repente como todo mundo diz. Infelizmente, não somos aquela porcentagem feliz da humanidade que troca a roupa e o amor entre o mesmo espaço de tempo e, inquestionavelmente, dói tentar esperar. E o que nos resta dessa conta da vida? Esperar passar ou então fazer de tudo pra que as coisas se ajeitem conforme desejamos.
Por fim, meu caro, eu percebo que ainda te recordas minimamente do que ficou na nossa poeira do tempo particular, ainda que os olhares cor de tempestade não sejam direcionados a isso e, de coração, espero que tudo dê certo por aí.
Além de tudo, espero que não cries um muro dentro de ti, pois aquele lá de Berlim já causou dor suficiente a gente demais e a gente que não precisava sofrer. Olha, eu me comovi com a tua história.. Eu me identifiquei nela, contudo, do lado de cá, acabou.  Ou vai ver, afundou. Boa sorte, mesmo.

Eu rabisco o sol, e a chuva parou...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens recentes

recentposts

Postagens que você possa gostar

randomposts