segunda-feira, setembro 30, 2019

O homem é o lobo do homem


   
      
       As vezes eu não quero nada. Ou será que as vezes a gente, nós todos, não queremos nada? As vezes tudo pareceria melhor dentro de um barquinho perdido no meio do mar. As vezes a música favorita não compensa o mau dia, as vezes os pássaros cantando não podem ser notados. As vezes a gente queria poder ter o mundo nas mãos, porém em outras vezes o mundo parece pesar muito mais do que aquilo que a gente pensa poder carregar. Será mesmo que a gente só tem aquilo que merece e devemos ser gratos por tudo isso?
      O que você faz quando passa por um animal doente ou por uma pessoa perdida nas ruas? O animal é mesmo mais doente que você e por isso não merece mais a atenção de ninguém, porque simplesmente nada adiantaria? Aquela pessoa, ela é pior que você? Por que? O que você pensa que é senão um pontinho, um grão de areia, uma gota d'água no meio de um infinito que você nunca vai conhecer? Nós não somos nada, nós não podemos tudo e nunca teremos tudo. A sua dor não é maior que a dor do seu próximo.
      Nós estamos acostumados a andar em nossas construções, a pensar o quão grande somos e nos sentirmos plenos em nosso castelo de cristal. Todos nós somos assim, eu, você e aquele outro que você inveja porque o diamante dele é maior que o seu. Não é somente você que pensa que é bom em algo, que pensa que sabe tanto e que pode tudo e que nada deve a ninguém. Todos nós devemos algo, se não a alguém, a nós mesmos.
      É no mínimo engraçado quando os cristais começam a rachar e notamos que nada passa de um simples vidro brilhante. A gente espera comoção, a gente espera compreensão. Queremos que nos notem e que nos acariciem e nos aninhem como bebês porque aquilo que a gente pensou que era e pensou que poderia ser de repente não deu certo. A gente se esquece que devemos continuar por nós mesmos e que ninguém é responsável pelas nossas próprias escolhas e pelos nossos próprios erros. As pernas são nossas, o remo daquele barquinho perdido no meio do mar é nosso também, por isso, agarre-o e sempre, mesmo sozinho, siga em frente. Pode ser que a luz não esteja presente lá no fim do túnel, mas ela seja tudo aquilo que você aprenderá no caminho. 


Somos o pior inimigo de nós mesmos.