Que horas tu virás?


Provavelmente ela nunca saiba falar com exatidão o que sentia por ele e desde quando começou a sentir algo mais forte. Talvez ela nunca saiba explicar como as coisas se transformaram no que hoje elas são e ainda insisto em dizer que talvez ela nunca quis, antes de tudo, que a vida tomasse esse rumo.
Como estamos agora? Estamos em um abismo, fitando a sua beira com a mesma inocência de uma criança inocente e perdida ou estamos presentes e cientes do quanto isso é importante e do quanto nossas atitudes são definidoras de nossas vidas e, quem sabe, da vida de uma nova geração? O que sou? O que sei agora? O que me tornei?
Sim, não sou a mesma de semanas atrás. Embora eu tenha o mesmo gosto por alguns aspectos peculiares da vida, não tenho mais a mesma visão de como posso sentir o mundo exterior que me cerca. Sou somente eu que me encontro nessa esquina? Não sei se posso confiar cegamente nos olhos que me observam com tanta atenção. Não sei até onde posso prever algo, ou até onde posso tentar diagnosticar e remediar as feridas quase cicatrizadas e a culpa aparentemente perdoada, mas que, quando lembrada, nos rodeia como a presença de alguém estranho é temida em nossos pátios. Nos lembraremos de tudo, mesmo que o pra sempre deixe, porventura, de existir. No fundo, saberemos que fomos os primeiros a assistir aqueles episódios tão aguardados. Nós seremos sempre os nossos primeiros, ainda que, com o passar das décadas, a distância na presença comece a morar em nós, apesar de toda a relutância que possa vir a existir.
Por fim, suplico pra que não nos esgotemos de amor, coragem e sinceridade. Porque se algo maior existe, esse algo está em ti. E, para mim, o brilho dos teus olhos reflete todas estas coisas.

Compartilhe essa postagem!

Sobre a autora

Thuane Graciele Knopf Kunz

20 anos, estudante de História, namorada do Bruno e moradora de Novo Hamburgo, RS.

0 comentários:

Postar um comentário