Mostrando postagens com marcador Sociologia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Sociologia. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, agosto 10, 2020

Pequeno texto sobre o "encontrar-se"



Lá fora eu vejo pessoas seguindo o seu caminho, encontrando seus pares, procurando uma nova fantasia para ocuparem a mente em seus poderosos aparelhos celulares. As tardes seguem vazias no centro da cidade, sem brilho, sem sorrisos e sem aquelas conversas sinceras que expõem a imensidão existente dentro de cada um. 
As pessoas fingem estarem sozinhas em todos os ambientes, mesmo rodeadas de pessoas. Isso acontece porque assim torna-se fácil passar por cima do medo da comparação, da estigmatização, da vergonha da própria subestimação que conflitua dentro de cada um com o medo de arriscar, travando os músculos, trazendo a impossibilidade de se ir longe, de engatinhar, de simplesmente admitir que toda decisão acarreta um começo. As pessoas tem medo de serem pequenas demais para esse mundo que parece tão grande, mas que pode ser extremamente menor e incrivelmente comum àquilo que cada um tem medo de demonstrar.

Nós seguimos distantes, mesmo sem razões para sofrer, mesmo com uma mão amiga, já cansada, estendida em nossa direção. Procuramos no céu a imensidão que não somos capazes de encontrar em nosso próximo, procuramos a força que as vezes pensamos não haver na beleza de sentir, na beleza de simplesmente prosseguir e deixar o coração bater mais forte. 
Um dia não teremos medo de nos cegarmos com o nascer do sol em nossa fronte, um dia os pássaros estarão mais perto e sentiremos a brisa suave em nossos cabelos. Um dia a utopia tornar-se-á realidade e sentiremos o carinho que estamos, a cada novo amanhecer, preparando a nós mesmos. Será como um agradecimento pelo prosseguimento, pela coragem, insistência e, acima de tudo, pela certeza de amar cada milímetro do que se é. 

Não desista de se encontrar. 

terça-feira, março 31, 2020

A contra-mão pode ser o melhor caminho


É difícil acertar na primeira escolha, é quase impossível tocar o céu no primeiro passo e, mais complicado do que tudo isso, na grande maioria das vezes, é aceitar que não se está no topo do pódio dentro do período previsto.
A vida é feita de andar e andar e nem sempre isso significa caminhar em linha reta, sem cair aqui e ali, sem parar no meio da jornada, sem olhar para trás e criar um grande círculo e, caso este for o objetivo, pode ser que nem sempre a vida seja cíclica também.
Tudo é sobre errar. Isso mesmo! Todas as pequenas partes que compõem o que se é de verdade, somente fazem parte do todo que se é porque foram repetidas, lembradas mais uma vez, porque lá no início saíram erradas e houve a necessidade da repetição por uma, duas, três vezes até que o acorde enfim soasse bem, mas então, no momento de tocar a música, o ritmo resolveu não se adequar. Dessa forma, lá se foram mais incontáveis tentativas, até atingir o êxito tão aguardado. Ou não.
Quem disse que esse acerto aguardado por tantos é assim tão necessário? Quem determinou o que cada indivíduo realmente precisa acertar para ser notado, ser o "bem sucedido"? Você realmente deseja estar onde essas pessoas estão, ansiosas pelo brilho do próprio narciso?
As pessoas correm contra o tempo, buscam a própria satisfação na ótica suja da aceitação social. Passeiam, compram produtos obsoletos porque precisam da sensação de poder ou até mesmo da inveja do próximo para sentirem-se satisfeitos, aprendem a ganhar dinheiro e repetem informações e instruções robotizadas, vendendo sonhos, vendendo música, vendendo bem estar, vendendo a falsa beleza que é exagerada e utilizada muitas vezes como uma camuflagem para uma profunda dor, vendendo conhecimento e esquecendo de realmente ensinar.
As pessoas comem sem necessidade de comer, devido a imensa ansiedade que sentem em viver nesse gigantesco emaranhado de mentiras. Elas rezam sem acreditar e são criticadas quando não o fazem, vivem relacionamentos líquidos objetivando visibilidade por fazer parte de um determinado meio e criam a tecnologia e a globalização afim de amenizar as atividades da vida humana, porém agora elas conhecem tanto sobre um apunhalado de técnicas e não sabem nada sobre como olhar pra dentro de si, sobre como serem realmente humanas. E o pior é que ninguém ousa voltar atrás.
É isso que você quer escolher?
Você não precisa ter medo de assumir que aquilo que pensou que fosse, realmente não era o sentido da vida. Você não é uma pedra e não deve fingir que é.
Seja lento, seja rápido. Tenha força, chore muito. Desacredite de tudo e volte a acreditar logo em seguida. Dê valor aos seus erros, aos seus tropeços. Isso não é motivo para deixar de seguir o seu caminho. Esse caminho, mais do que próspero, bonito e cheio de sentimentos bons, é o seu caminho e só você pode entendê-lo e trilhá-lo.