quinta-feira, agosto 22, 2019

De mãos dadas

Nesta manhã a menina acordou com pressa. Não teve tempo para abrir a janela e olhar o nascer do sol e nem mesmo para esquentar o seu café puro de toda a manhã. Ela se arrumou, colocou seu casaco, passou o seu perfume barato e saiu. A menina aproveitou o percurso que deveria percorrer até chegar ao seu destino para refletir sobre tudo o que acontecera com ela nos últimos tempos. Às vezes ela sente como se o cérebro dela fosse um novelo de lã emaranhado, cheio de nós que ela tenta desfazer e, para isso, ela precisou ter coragem. Dessa forma, a menina recomeçou a tecer a sua vida através da experiência adquirida anteriormente. Ela aprendeu a atar e desatar nós com mais força e sem medo de romper a linha se for necessário. Ela continuava a andar muito rapidamente, a passos largos e com o cachecol voando com o vento gelado daquele dia. A menina sentia-se feliz com o recomeço, porém indubitavelmente carregava consigo a certeza de que não teria coragem de recomeçar, tomar uma posição diante de sua vida e ser feliz consigo mesma se não estivesse com alguém em seu coração. 
Ele esteve com a pequena menina em todos os momentos, bons ou não. Ele a abraçou e segurou a sua mão durante as incertezas e sorriu com ela quando o final foi bom. Quando ela recomeçou, ele observou o desenrolar do novelo de lã e ajudou ela a segurar todos os fios para pô-los no lugar certo. A menina vem aprendendo a enxergar os momentos em que ele lhe deu a mão e olhou com seus olhos profundos e indagadores no fundo dos olhos melancólicos e distantes dela, dizendo que todas as coisas cooperam para o bem. Ele esteve com ela quando ela precisou de um abraço apertado. Ele esteve com ela quando ela chorou achando que o mundo todo iria desabar. Ele é, muitas vezes, o refúgio dela e ela possui imensa gratidão por isso. 
Chegando ao seu destino, a menina relembrou do quanto precisa agradecer pelos bons momentos compartilhados. Ela precisa agradecer pelo quanto aprenderam juntos enquanto liam sobre as definições do que é o amor na filosofia e de como aprenderam o quanto são andrógenos e que por serem andrógenos o amor as vezes dói pela distância ou por algum destemperamento. Ela precisa agradecer pelos bons momentos ouvindo e aprendendo a cantar as músicas que ela mais ama ao lado dele. Ela precisa agradecer pelo quanto sonharam e sonham juntos a até mesmo pelo quanto amam ou detestam juntos, mesmo sem admitir e muitas vezes sem deixar transparecer aos demais, exatamente as mesmas coisas. 

É certo de que não será passageiro. Juntos, eles percorrerão os caminhos da vida, sendo abrigo e proteção um do outro em meio a esse mundo de caos.

0 comentários:

Postar um comentário