Fita adesiva no fim


Daqui a um bom tempo, nós estaremos realmente bem. Eu contarei histórias, você as vivenciará. Nós viajaremos para onde quisermos, nós conquistaremos os lugares que conhecermos e as pessoas que nos conhecerem nos conquistarão. Seremos nós mesmos, ainda que individuais e solitários. Seremos quem somos por opção e não por obrigação. No fim, não teremos a certeza de que fizemos a coisa certa, mas estaremos conscientes do que fizemos para acabarmos aonde acabaremos.
Os próximos invernos não serão tão frios, ainda que nos façam ter a incrível ânsia por um abraço mais forte, por um beijo, que quem sabe lá, tenham outras pretensões. As manhãs, meu querido, serão adoráveis, ainda que sem o seu olhar, como hoje, olhando no fundo do meu. O café, que antes era fraco e insuficiente para o nosso despertar, amanhã será na medida certa para me reavivar a mente enquanto eu me dirigir, desacompanhada, para algum lugar indeterminado da minha nova rotina. À noite entrarei um pub qualquer e afogarei o meu passado no riso com as novas pessoas que outrora conheci. Sim, o caminho estará involuntariamente correto, mesmo que não enteja tão aprazível assim. Afinal, não será uma tortura viver nesses novos dias, ainda que eu prefira ter trinta minutos exclusos da minha vida para lembrar de como ela era quando eu confiava em alguém.
Sim, acabei descobrindo, pulando de piores em piores maneiras, que nunca estarei correta sobre tudo. Também tenho admitido a mim mesma que gosto de ficar sozinha, porém ninguém gosta de estar sozinho e sim, você também sabe disso.
E esta etapa está no fim, eu irei lhe mostrar que sim. Agora, mais do que nunca, está realmente e sinceramente no fim.

Compartilhe essa postagem!

Sobre a autora

Thuane Graciele Knopf Kunz

20 anos, estudante de História, namorada do Bruno e moradora de Novo Hamburgo, RS.

0 comentários:

Postar um comentário